Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Veja quantos prefeitos os principais partidos devem eleger


Marcelo Nilo e Otto Alencar devem ser os campeões na eleição de prefeitos nestas eleições
As primeiras projeções sobre a performance dos partidos nestas eleições municipais apontam para a liderança do PSD, do senador Otto Alencar, com o maior número de prefeitos a serem eleitos no próximo domingo. Pelos cálculos de políticos e partidos, a agremiação do senador deve eleger pelo menos 100 prefeitos entre os 415 municípios baianos. Desse número, metade seria de candidatos diretamente ligados a Otto, o que deve transformar o senador no campeão da eleição municipal no Estado. Depois do PSD, o partido que mais deve conquistar prefeituras é o PT, que ocupa o governo do Estado, e deve eleger 60 prefeitos. Abaixo dele, vêm o PMDB, do ministro Geddel Vieira Lima (Articulação Política), e o PP, comandado pelo vice-governador João Leão e o conselheiro Mário Negromonte, que devem fazer, cada, 50 prefeitos. Assim como Otto, outro que deve emergir como força política individual nestas eleições é o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo. Apesar de estar no PSL, pode eleger até 40 prefeitos espalhados por várias legendas, dez prefeituras a mais do que o PSDB, que deve garantir aproximadamente 30 Prefeituras. O DEM, cuja estrela estadual é o prefeito de Salvador, ACM Neto, favorito à reeleição, deve eleger 40 prefeituras. O PCdoB, que disputa a Prefeitura de Salvador com a deputada federal Alice Portugal, deve cravar 15 prefeitos, o PTN, do deputado federal João Carlos Bacelar, pode conquistar 10 municípios e o PR, do deputado federal José Carlos Araújo, 15.
Veja abaixo projeção estimada de prefeitos eleitos por legenda:
PSD – 100
PT – 60
PMDB- 50
PP – 50
Marcelo Nilo – 40
PSDB – 30
DEM – 40
PCdoB – 15
PTN – 10
PR – 20

STF - Paternidade socioafetiva não exime de responsabilidade o pai biológico


Publicado em 22/09/2016

Em sessão nesta quarta-feira (21), o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que a existência de paternidade socioafetiva não exime de responsabilidade o pai biológico. Por maioria de votos, os ministros negaram provimento ao Recurso Extraordinário (RE) 898060, com repercussão geral reconhecida, em que um pai biológico recorria contra acórdão que estabeleceu sua paternidade, com efeitos patrimoniais, independentemente do vínculo com o pai socioafetivo.
 
Relator
O relator do RE 898060, ministro Luiz Fux, considerou que o princípio da paternidade responsável impõe que, tanto vínculos de filiação construídos pela relação afetiva entre os envolvidos, quanto aqueles originados da ascendência biológica, devem ser acolhidos pela legislação. Segundo ele, não há impedimento do reconhecimento simultâneo de ambas as formas de paternidade – socioafetiva ou biológica –, desde que este seja o interesse do filho. Para o ministro, o reconhecimento pelo ordenamento jurídico de modelos familiares diversos da concepção tradicional, não autoriza decidir entre a filiação afetiva e a biológica quando o melhor interesse do descendente for o reconhecimento jurídico de ambos os vínculos.

“Do contrário, estar-se-ia transformando o ser humano em mero instrumento de aplicação dos esquadros determinados pelos legisladores. É o direito que deve servir à pessoa, não o contrário”, salientou o ministro em seu voto (leia a íntegra).

O relator destacou que, no Código Civil de 1916, o conceito de família era centrado no instituto do casamento com a "distinção odiosa” entre filhos legítimos, legitimados e ilegítimos, com a filiação sendo baseada na rígida presunção de paternidade do marido. Segundo ele, o paradigma não era o afeto entre familiares ou a origem biológica, mas apenas a centralidade do casamento. Porém, com a evolução no campo das relações de familiares, e a aceitação de novas formas de união, o eixo central da disciplina da filiação se deslocou do Código Civil para a Constituição Federal.

“A partir da Carta de 1988, exige-se uma inversão de finalidades no campo civilístico: o regramento legal passa a ter de se adequar às peculiaridades e demandas dos variados relacionamentos interpessoais, em vez de impor uma moldura estática baseada no casamento entre homem e mulher”, argumenta o relator.

No caso concreto, o relator negou provimento ao recurso e propôs a fixação da seguinte tese de repercussão geral: “A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, salvo nos casos de aferição judicial do abandono afetivo voluntário e inescusável dos filhos em relação aos pais”.

Partes
Da tribuna, a representante do pai biológico sustentou que a preponderância da paternidade socioafetiva sobre a biológica não representa fuga de responsabilidade, mas sim impede que a conveniência de um indivíduo, seja o filho ou o pai, opte pelo reconhecimento ou não da paternidade apenas em razão de possíveis efeitos materiais que seriam gerados. Defendeu que fosse mantido apenas vínculo biológico sem reconhecimento da paternidade, portanto, sem efeitos patrimoniais, pois a própria filha afirmou que não pretendia desfazer os vínculos com o pai socioafetivo.

Atuando na ação na qualidade de amicus curiae (amigo da corte), o Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM) sustentou que a igualdade de filiação – a distinção entre filhos legítimos e ilegítimos – deixou de existir com a Constituição de 1988. O instituto defende que as paternidades, socioafetiva e biológica, sejam reconhecidas como jurídicas em condições de igualdade material, sem hierarquia, em princípio, nos casos em que ambas apresentem vínculos socioafetivos relevantes. Considera, ainda, que o reconhecimento jurídico da parentalidade socioafetiva, consolidada na convivência familiar duradoura, não pode ser impugnada com fundamento exclusivo na origem biológica.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou no sentido de que não é possível fixar em abstrato a prevalência entre a paternidade biológica e a socioafetiva, pois os princípios do melhor interesse da criança e da autodeterminação do sujeito reclamam a referência a dados concretos acerca de qual vínculo deve prevalecer. No entendimento do procurador-geral, é possível ao filho obter, a qualquer tempo, o reconhecimento da paternidade biológica, com todos os consectários legais. Considera, ainda, que é possível o reconhecimento jurídico da existência de mais de um vínculo parental em relação a um mesmo sujeito, pois a Constituição não admite restrições injustificadas à proteção dos diversos modelos familiares. Segundo ele, a análise deve ser realizada em cada caso concreto para verificar se estão presentes elementos para a coexistência dos vínculos ou para a prevalência de um deles.

Divulgadas 16 teses consolidadas no tribunal sobre união estável

Publicado em 21/09/2016

Com base em precedentes dos colegiados do tribunal, o Superior Tribunal de Justiça divulgou 16 teses sobre união estável. Entre elas está a que define que a existência de casamento válido não obsta o reconhecimento da união estável, desde que haja separação de fato ou judicial entre os casados.

Outra tese entende que os princípios legais que regem a sucessão e a partilha não se confundem: a sucessão é disciplinada pela lei em vigor na data do óbito, enquanto a partilha deve observar o regime de bens e o ordenamento jurídico vigente ao tempo da aquisição de cada bem a partilhar.

Os entendimentos foram reunidas na ferramenta Jurisprudência em Teses, que apresenta diversos entendimentos do STJ sobre temas específicos, escolhidos de acordo com sua relevância no âmbito jurídico. Abaixo de cada uma delas, o usuário pode conferir os precedentes mais recentes sobre o tema, selecionados até a data especificada no documento.

Leia as teses sobre união estável:

1. Os princípios legais que regem a sucessão e a partilha não se confundem: a sucessão é disciplinada pela lei em vigor na data do óbito; a partilha deve observar o regime de bens e o ordenamento jurídico vigente ao tempo da aquisição de cada bem a partilhar.

2. A coabitação não é elemento indispensável à caracterização da união estável.

3. A vara de família é a competente para apreciar e julgar pedido de reconhecimento e dissolução de união estável homoafetiva.

4. Não é possível o reconhecimento de uniões estáveis simultâneas.

5. A existência de casamento válido não obsta o reconhecimento da união estável, desde que haja separação de fato ou judicial entre os casados.

6. Na união estável de pessoa maior de setenta anos (artigo 1.641, II, do CC/02), impõe-se o regime da separação obrigatória, sendo possível a partilha de bens adquiridos na constância da relação, desde que comprovado o esforço comum.

7. São incomunicáveis os bens particulares adquiridos anteriormente à união estável ou ao casamento sob o regime de comunhão parcial, ainda que a transcrição no registro imobiliário ocorra na constância da relação.

8. O companheiro sobrevivente tem direito real de habitação sobre o imóvel no qual convivia com o falecido, ainda que silente o art. 1.831 do atual Código Civil.

9. O direito real de habitação poder ser invocado em demanda possessória pelo companheiro sobrevivente, ainda que não se tenha buscado em ação declaratória própria o reconhecimento de união estável.

10. Não subsiste o direito real de habitação se houver co-propriedade sobre o imóvel antes da abertura da sucessão ou se, àquele tempo, o falecido era mero usufrutuário do bem.

11. A valorização patrimonial dos imóveis ou das cotas sociais de sociedade limitada, adquiridos antes do início do período de convivência, não se comunica, pois não decorre do esforço comum dos companheiros, mas de mero fator econômico.

12. A incomunicabilidade do produto dos bens adquiridos anteriormente ao início da união estável (art. 5º, § 1º, da Lei n. 9.278/96) não afeta a comunicabilidade dos frutos, conforme previsão do art. 1.660, V, do Código Civil de 2002.

13. Comprovada a existência de união homoafetiva, é de se reconhecer o direito do companheiro sobrevivente à meação dos bens adquiridos a título oneroso ao longo do relacionamento.

14. Não há possibilidade de se pleitear indenização por serviços domésticos prestados com o fim do casamento ou da união estável, tampouco com o cessar do concubinato, sob pena de se cometer grave discriminação frente ao casamento, que tem primazia constitucional de tratamento.

15. Compete à Justiça Federal analisar, incidentalmente e como prejudicial de mérito, o reconhecimento da união estável nas hipóteses em que se pleiteia a concessão de benefício previdenciário.

16. A presunção legal de esforço comum quanto aos bens adquiridos onerosamente prevista no art. 5º da Lei 9.278/1996, não se aplica à partilha do patrimônio formado pelos conviventes antes da vigência da referida legislação.

Clique aqui para ler o documento completo.
Fonte: Conjur

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Veja quem está proibido de se candidatar na Bahia em outubro


O Tribunal de Contas do Estado (TCE-BA) divulgou em seu site uma relação de gestores com contas reprovadas entre os anos de 2008 e 2016. O documento, que foi enviado ao Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) e à Procuradoria Regional Eleitoral da Bahia (PRE-BA), traz 354 nomes de prefeitos e ex-prefeitos que tiveram processos julgados pelo órgão. Entre os nomes mais conhecidos que constam na lista estão Joseph Bandeira (SD), Fernando Gomes (DEM), Oziel Oliveira (PDT) e Carlos Brasileiro (PT). Os quatro disputam a prefeitura de Juazeiro, Itabuna, Luís Eduardo Magalhães e Senhor do Bonfim, respectivamente. Joseph Bandeira já comandou a cidade de Juazeiro por dois mandatos consecutivos e foi deputado federal. Veja a lista completa com os gestores inelegíveis. Leia mais no Tribuna da Bahia. 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Dilma pode ser presa após revelações de Odebrecht em delação, diz coluna




As revelações do empresário Marcelo Odebrecht em delação na Operação Lava Jato podem levar a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) à prisão. As informações foram publicadas pela coluna Radar Online, da revista Veja. Ainda segunda a coluna, pessoas que tiveram acesso ao depoimento completo do empreiteiro afirmam que a petista “dificilmente escapará”. “A relação entre Dilma e a empreiteira era simbiótica, com a presidente operando os interesses da empresa no governo”, diz a publicação. (Tribuna)

terça-feira, 19 de julho de 2016

Xique-Xique: Prefeito e ex-prefeito são alvos de ação do MPF


O Ministério Público Federal (MPF) em Irecê (BA) ajuizou uma ação civil por ato de improbidade administrativa contra o atual e o ex-prefeito de Xique-Xique (BA), Alfredo Ricardo Bessa Magalhães e Reinaldo Teixeira Braga Filho, respectivamente. Eles são acusados de não prestar contas ao Ministério da Saúde dos recursos federais destinados ao município para a implantação da rede Farmácia Popular do Brasil.
Os gestores, ao aderirem ao projeto, estariam obrigados a justificar os gastos em duas modalidades: a prestação de contas parcial, informando sobre a aplicação dos recursos, sob pena de suspensão da participação; e a prestação de contas regular, com informações pertinentes ao projeto, de acordo com a legislação do Sistema Único de Saúde (SUS).
Em ofício encaminhado pelo próprio Ministério ao MPF, foi constatado que os relatórios contendo a aplicação dos gastos, bem como os esclarecimentos sobre a gestão dos projetos não foram enviados à pasta. O procurador da República Márcio Albuquerque de Castro afirma que os gestores deveriam prestar contas das verbas recebidas pelo município através de documentação idônea comprobatória da aplicação correta de todos os valores, e sustenta que “os demandados enriqueceram-se às custas da administração pública”.
O MPF requereu à Justiça, em caráter liminar, o bloqueio dos bens de Alfredo, atual prefeito, no valor de R$ 372.500,00, valor repassado pelo Ministério da Saúde entre 2013 e 2015. Já Reinaldo, ex-gestor, se concedida a decisão provisória, terá seus bens indisponíveis em até R$ 220.000, referentes aos anos de 2011 e 2012. O órgão também pediu a condenação dos réus sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito.
Fonte: Bocão News

Abaixo-assinado contra bloqueio supera 270 mil assinatura

  Foto: Chris Ratcliffe / Bloomberg

Abaixo-assinado contra bloqueio supera 270 mil assinaturas

Organizado pelo ITS Rio, manifesto será apresentado ao Congresso Nacional

Homem é preso após cadela achar droga em Sedex


Animal deu sinal positivo para presença de drogas em embalagem - Foto: Divulgação | Polícia Militar
Um homem foi preso depois que policiais encontraram drogas dentro de uma correspondência recebida por ele na casa onde morava, no condomínio Princesa do Sertão, em Feira de Santana (a 109 km de Salvador). A descoberta foi feita com a ajuda da cadela farejadora "Teka", que identificou o material suspeito no pacote de Sedex.
Ao abrir a embalagem, os policiais encontraram 300 gramas de haxixe envolvidos em chocolate. Segundo o site Acorda Cidade, a polícia ainda apreendeu 103 adesivos de LSD, 171 comprimidos de ecstasy, balança digital, bloco com anotações com contabilidade, embalagens diversas e uma quantia em dinheiro com Leonardo Ataíde Oliveira.

STF suspende decisão que bloqueou WhatsApp


  • Divulgação
    Conexão do WhatsApp deve ser restabelecido imediatamente - Foto: Divulgação

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, suspendeu nesta terça-feira, 19, a decisão do juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias (RJ) para restabelecer imediatamente o serviço de mensagens do aplicativo WhatsApp.
Segundo o ministro, a suspensão do serviço aparentemente viola o preceito fundamental da liberdade de expressão e comunicação (artigo 5º, inciso IX, da Constituição Federal) e a legislação de regência sobre a matéria.
A liminar foi deferida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 403, ajuizada em maio deste ano pelo Partido Popular Socialista (PPS), originalmente contra decisão do juiz da Vara Criminal de Lagarto (SE) que bloqueou o aplicativo.
Nesta terça-feira, o partido, por meio de petição, informou a ocorrência de nova ordem judicial no mesmo sentido, desta vez do juízo da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias, e requereu a imediata suspensão daquela decisão.
O bloqueio do WhatsApp foi determinado nesta terça pela juíza Daniella Barbosa Assumpção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias. A magistrada alegou que o aplicativo descumpriu decisão judicial de interceptar mensagens postadas pelo aplicativo de troca de mensagens em uma investigação criminal. Esta é a terceira vez que o WhatsApp é suspenso no país.

domingo, 17 de julho de 2016

IBGE contabiliza mais de 8.500 casamentos homoafetivos desde regra do CNJ


Resolução 175 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que completou três anos no mês de maio e impede os cartórios brasileiros de se recusarem a converter uniões estáveis homoafetivas em casamento civil, vem dando impulso para que casais do mesmo sexo oficializem as uniões.
Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) apontam que, desde a vigência da Resolução até o final de 2014, 8.555 casamentos entre cônjuges do mesmo sexo já foram registrados em cartórios em todo o país. Os dados de 2015 ainda estão sendo compilados do IBGE e devem ser divulgados em novembro deste ano.
Entre os 4.854 casamentos homoafetivos registrados no ano de 2014, 50,3% (2.440) foram entre cônjuges femininos e 49,7% (2.414) entre cônjuges masculinos. A região Sudeste (60,7%) concentrou o maior percentual de uniões homoafetivas, seguida pelas regiões Sul (15,4%); Nordeste (13,6%); Centro-Oeste (6,9%) e Norte (3,4%). As maiores concentrações percentuais de uniões homoafetivas na região Sudeste foram evidenciadas no estado de São Paulo, com 66,9 % para o conjunto masculino e 71,9% para o feminino.
Depois de realizar o sonho do vestido perfeito de milhares de noivas de Brasília (DF), em dezembro de 2015, foi a vez do estilista Fernando Peixoto subir ao altar para se casar com seu companheiro, Patrick Noronha, com quem se relacionava há mais de um ano. Em uma cerimônia íntima em Pirenópolis (GO), os dois assinaram a certidão de casamento, sob testemunho de 70 pessoas e do juiz de paz. “Eu me senti como parte da sociedade, podendo usufruir dos direitos que qualquer pessoa tem, independentemente da opção sexual”, comentou. “Decidimos casar porque nos amamos e para resguardar todos os bens que estamos construindo juntos”, completou.
Pioneiros - Os diplomatas Alécio Guimarães e Luiz Felipe Czarnobai foram um dos primeiros casais homossexuais a se casar no civil no Brasil, ainda em 2012, antes da publicação da resolução do CNJ. A notícia do casamento dos dois deu forças ao sonho de centenas de outros casais homossexuais. “Queríamos uma festa grande para comemorar com amigos e parentes a nossa união. Começamos a nos programar com um ano de antecedência, mesmo sabendo que o casamento civil não era legalmente possível.
Faltando seis meses para a cerimônia, em outubro de 2011, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento a um Recurso Especial no qual duas mulheres pleiteavam a habilitação ao casamento civil. “Não perdermos tempo. Fomos correndo ao cartório e demos entrada na papelada e já agendamos a juíza de paz”, contou Alécio Guimarães. “Foi muito importante para mim ter meu direito respaldado pelo Estado. Queria muito ver essa conquista ser alcançada em todos os países, para acabar com o preconceito”, completou o diplomata. Os dois agora sonham em adotar uma criança.
Em maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu o primeiro passo para que as uniões entre pessoas do mesmo sexo pudessem ser oficializadas. Ao julgar conjuntamente duas ações, ADI 4277/DF e ADPF 132/RJ, o Supremo reconheceu a união estável entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar, conferindo a esses casais os mesmos direitos e deveres estendidos aos companheiros nas uniões entre homem e mulher.
Direitos - A equiparação do casamento entre homossexuais e heterossexuais permite os mesmos direitos do casamento estabelecidos pelo Código Civil, como inclusão em plano de saúde e seguro de vida, pensão alimentícia, direito sucessório, divisão dos bens adquiridos, entre outros.


Fonte: CNJ

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Policlínica do Território de Identidade de Irecê tem obras iniciadas


Governador da Bahia, Rui Costa (PT)
A ordem de serviço para construção da quarta policlínica construída pelo Governo do Estado foi assinada pelo governador Rui Costa nesta segunda-feira (6), em Irecê, no Norte da Bahia. O equipamento será administrado por meio de um consórcio interfederativo de saúde e atenderá 19 municípios da região, com até 18 especialidades médicas, além de serviços de apoio ao diagnóstico, como radiografia, tomografia, ultrassonografia, endoscopia e ressonância magnética. O investimento de R$ 19 milhões em obras e equipamentos beneficiará mais de 420 mil pessoas. Rui visitou o terreno no qual será construída a policlínica, que já passa por terraplanagem, e conheceu o projeto. “Quem precisar de qualquer exame, vai poder fazer aqui, porque teremos todos os equipamentos. Estamos regionalizando o atendimento, levando a saúde para o interior, onde vive 80% da população”, ressaltou. Ele também explicou como funcionará a gestão do equipamento: “do custeio, 60% será rateado entre os municípios do consórcio e 40% será bancado pelo Estado, para levar saúde para o povo”.

País só sai da crise com eleição presidencial ainda este ano, diz Joaquim Barbosa

  • Estadão Conteúdo
    O ex-ministro do Supremo fez as afirmações em duas mensagens postadas no Twitter - Foto: Estadão Conteúdo
    O ex-ministro do Supremo fez as afirmações em duas mensagens postadas no Twitter
O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa afirmou em seu Twitter que o Brasil só sairá da crise "com eleições presidenciais ainda este ano". O ex-ministro fez as afirmações em duas mensagens postadas em sua rede social na manhã deste sábado, 4.
Barbosa citou em suas mensagens a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne 34 das mais importantes economias mundiais. E mandou um recado direto para a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) e o presidente em exercício Michel Temer (PMDB).
Para que isso ocorresse, dois ilustres brasileiros teriam que renunciar aos seus interesses pessoais e pensar no país: D Roussef e M Temer.
O Estadão

terça-feira, 17 de maio de 2016

Gentio do Ouro - História


.
Município de Gentio do Ouro
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecidaBrasão desconhecido
Hino
Aniversário9 de julho
Fundação1890
Gentílicogentiense, gentiourense
Prefeito(a)Ivonilton Vieira (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Gentio do Ouro
Localização de Gentio do Ouro na Bahia
Gentio do Ouro está localizado em: Brasil
Gentio do Ouro
Localização de Gentio do Ouro no Brasil
11° 25' 44" S 42° 30' 21" O
Unidade federativaBahia Bahia
MesorregiãoCentro Norte Baiano IBGE/2008[1]
MicrorregiãoIrecê IBGE/2008[1]
Municípios limítrofesXique-XiqueItaguaçu da Bahia,UibaíIbipeba e Ipupiara
Distância até a capitalNão disponível
Características geográficas
Área3 671,237 km² [2]
População10 720 hab. IBGE/2010[3]
Densidade2,92 hab./km²
ClimaNão disponível
Fuso horárioUTC−3
Indicadores
IDH-M0,559 baixo PNUD/2010 [4]
PIBR$ 29 809,347 mil IBGE/2008[5]
PIB per capitaR$ 2 520,02 IBGE/2008[5]
Página oficial
Gentio do Ouro é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2010 era de 10.720 habitantes.

História

Município criado, com nome de Gameleira e território desmembrado do município de Xique-Xique, pelo Ato Estadual de 9 de Julho de1890, sendo instalado em 9 de Dezembro de 1890. Pela Lei Estadual nº 2.017. de 2 de Agosto de 1927, o município recebeu o nome de Assuruá. Foi extinto pelos Decretos Estaduais nº 7.455, de 23 de Junho de 1931 e nº 7.479, de 8 de Julho de 1931 e reanexado seu território ao município de Xique-Xique e Criaram na Vila de Assuruá uma Sub Prefeitura. O município foi restaurado, com território desmembrado do município de Xique-Xique e sede em Santo Inácio, pelo Decreto Estadual nº 8.546, de 15 de Julho de 1933, sendo reinstalado em 9 de Agosto de 1933. Recebeu o nome de Santo Inácio do Assuruá pelo Decreto Lei Estadual nº 10.724, de 30 de Março de 1938, e o de Santo Inácio pelo Decreto Estadual nº 11.089, de 30 de Novembro de 1938. Sua sede foi mudada para a Vila de Gentio do Ouro pela Lei Estadual nº 628, de 30 de Dezembro de1953, recebendo o município essa denominação.[carece de fontes]

Economia[editar | editar código-fonte]

Na pecuária destacam-se os rebanhos de equinos, bovinos, ovinos, caprinos,suínos e asininos. Conforme registro da JUCEB, possui 05 indústrias, 140º lugar na posição geral do Estado da Bahia, e 47 estabelecimentos comerciais, 266º posição dentre os municípios baianos. No setor de bens minerais, é produtor de ouro, seu parque hoteleiro registra 60 leitos. No ano de 2001 o município registrou 2.227 consumidores de energia elétrica com um consumo de 1.545Mw/h.[carece de fontes]

Wilquipedia

DILÚVIOS NO NORDESTE: DEPOIS DE SECA HISTÓRICA, REGIÃO SERÁ AFETADA POR CHUVAS



A segunda parte do refrão  da música Sobradinho (Sá e Guarabyra) já aconteceu em várias localidades do Nordeste, onde rios viraram poeira. A primeira e mais improvável, pode se tornar realidade nas próximas décadas, de acordo com a previsão de estudiosos, sobre prognósticos do clima a médio e longo prazos. Após sofrer com os ciclos de seca, o Nordeste brasileiro pode ir para o outro extremo: o excesso de chuvas, que começariam em 30 anos.

De acordo com pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), o volume de água previsto será tão grande, que modificará a geografia nordestina, eliminando espécies e fazendo surgir novas. O desastre ambiental será provocado pelo homem,  com a emissão de gases do efeito estufa em altas concentrações e desequilibrará o clima no planeta. O resultado é que as correntes marinhas reduzirão em até 44% sua intensidade, provocando superaquecimento das águas do Atlântico, nas imediações do Nordeste.

“O aquecimento global vai arrefecer as correntes marinhas de duas formas. Uma delas é intensificando as chuvas nas altas latitudes do Atlântico Norte, onde as águas precisam ser mais densas para afundar e retornar ao Sul, realimentando as correntes. Se chove muito, reduz a salinidade da água e consequentemente sua densidade, dificultado o afundamento. A outra forma é derretendo as calotas de gelo sobre a Groenlândia, liberando água doce e também reduzindo a salinidade da água, exatamente nos sítios de formação das águas profundas, onde as correntes marinhas fazem o retorno”, explicou o professor de Ciências da USP, Cristiano Chiessi, coordenador da pesquisa que estuda os efeitos da redução das correntes marinhas.
Fonte: Jornal Correio da Paraíba

domingo, 24 de abril de 2016

WhatsApp: como mandar mensagens sem digitar usando a função ditado

Usar a função de ditado do WhatsApp no celular pode ser muito útil para o dia a dia. Além de permitir ao usuário mandar mensagens sem digitar, de modo mais rápido, o recurso também é bom para aqueles destinatários que não podem ouvir áudios no trabalho ou na rua, por exemplo. Assim, você pode falar, mas o destinatário ainda recebe a mensagem em formato de texto.
Veja no passo a passo abaixo, como usar a função ditado do WhatsApp em smartphones com Android e no iPhone (iOS). O procedimento é bem simples e é realizado dentro do próprio app.
WhatsApp teve vários problemas técnicos no Brasil e no mundo (Foto: Reprodução/Elson de Souza) (Foto: WhatsApp teve vários problemas técnicos no Brasil e no mundo (Foto: Reprodução/Elson de Souza))WhatsApp tem função que permite escrever sem digitar (Foto: Luciana Maline/TechTudo)








Download grátis do app do TechTudo: dicas e notícias de tecnologia no seu Android ou iPhone
No iPhone
Passo 1. Abra o WhatsApp e escolha a pessoa para quem você deseja enviar uma mensagem. Com o teclado da conversa aberta, toque no símbolo de um microfone, ao lado da barra de espaço.
Toque no símbolo de um microfone (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)Toque no símbolo de um microfone (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)
Passo 2. Uma janela irá abrir, perguntando se você deseja ativar a função. Para isso, clique em “Ativar Ditado”. Note que, em vez das letras, irá aparecer uma modulação de áudio no lugar do teclado. Agora, é só falar a mensagem e selecionar “Enviar”.
Fale a mensagem que você pretende enviar (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)Fale a mensagem que você pretende enviar (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)
No Android
Passo 1. Abra uma conversa no WhatsApp e, em vez de digitar o texto, toque no símbolo de um microfone, na parte direita do teclado do aplicativo.
Toque no símbolo de um microfone (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)Toque no símbolo de um microfone (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)
Passo 2. Agora, basta você tocar no botão de microfone – que apareceu no lugar onde fica o teclado – e falar a mensagem que você deseja enviar.
Fale a mensagem que você pretende enviar (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)Fale a mensagem que você pretende enviar (Foto: Reprodução/Lucas Mendes)
Aproveite o recurso para escrever sem precisar digitar no WhatsApp.